domingo, 31 de março de 2013

Jamais Esquecerei !

Eu estava lá. Eu ví.

sábado, 30 de março de 2013

Feliz Páscoa - Happy Easter


sexta-feira, 29 de março de 2013

BMW em Santa Catarina


A BMW finalmente confirmou que a assinatura de seu protocolo de intenções com o governo de Santa Catarina para a instalação de uma montadora da companhia na cidade de Araquari (perto de Joinville), será no dia 8 de abril.


A empresa alemã não confirmou ainda quais representantes enviará ao evento, mas a expectativa é de que o novo presidente da BMW no Brasil, Arturo Piñero, esteja presente. 

O ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, deverá representar o goveno federal na solenidade.

Para o governador de Santa Catarina, a assinatura do protocolo de intenções é mais um passo para a consolidação do setor automotivo no Estado.

Ele disse que a instalação de uma fábrica da BMW em Santa Catarina representa mais uma conquista do Estado na concretização de seu polo automotivo instalado, principalmente, na região Norte. 

Após a assinatura, a empresa deve dar início à primeira fase de obras no terreno localizado no km 65 da BR-101. 

Além das obras no terreno da futura fábrica a BMW está construíndo um centro de treinamento no Perini Business Park, em Joinville.

domingo, 24 de março de 2013

Um Pequeno Reparo no Rádio da Ultra Glide


Eu e a Rô gostamos muito de ouvir música através do nosso GPS Garmin Zumo 660.

Mencionei isto em várias postagens sobre GPS, aqui no Blog. Uso um cartão SD-HC de 8GB e gravo nele cerca de 1500 músicas (o máximo que o processador  do Zumo 66 consegue gerenciar), divididas em blocos de 25 músicas, cada.

Nosso Zumo 660 fica instalado na nossa Harley-Dadvison Ultra Classic Electra Glide com o suporte permanente para motocicleta e o áudio é ligado ao sistema de rádio através da entrada Auxiliar.
Recentemente o áudio deixou de funcionar no canal esquerdo, o que já se tornou bastante incômodo, especialmente quando se ouve músicas originais dos anos 1960, gravadas sómente em dois canais (Beatles, por exemplo).

Óbviamente um problema de mau contato. O primeiro passo foi verificar se havia algum problema no cabo de áudio, entre o GPS e a entrada auxiliar do rádio. Negativo, o problema não era aí.



Ficou claro, portanto, que o mau contato estava no receptáculo Auxiliar.  Fui postergando o momento de enfrentar o problema e repará-lo, com receio de não encontrar um profissional conhecido e confiável a quem pudesse confiar o reparo do rádio.

Em conversa com o nosso amigo Ivan Coelho, gerente de pós-venda da Floripa Harley-Davidson, ele me aconselhou a procurar um técnico que tivesse experiência com equipamento de rádio comunicação. Há vários aqui na região, pois toda a frota pesqueira necessita de assistência técnica, mas eu não conhecia ninguém e não encontrava quem me pudesse dar uma referência.

Na semana passada fomos ao encontro de Harleyros em Maringá e, aí, a entrada auxiliar do rádio pifou de vez. Claro que havia ocorrido uma ruptura na solda de ligação do receptáculo com a placa do rádio.

Ontem, sábado, resolvi enfrentar a fera; retirar o rádio para entregá-lo a um técnico ou tentar repará-lo eu mesmo.

Levantei cedo, como de costume, e levei a Ultra Glide para a lavação. Já às 08:30 estava eu de volta na minha vaga de garage do prédio onde moro, desmontando o morcegão da motocicleta.

Não é difícil nem complicado retirar o rádio. Só precisa paciência e calma para trabalhar em áreas apertadas, na retirada dos dois parafusos que prendem o rádio ao seu suporte.

Apesar de ter sido aberto e limpo há pouco mais de um ano, o interior do morcegão apresentava-se bem empoierado. Foi uma ótima oportunidade para uma limpeza geral.


Retirado o rádio, voltei para a minha pequena oficina no apartamento. Levei algum tempo para descobrir a forma correta de retirar o painel do rádio. Tão logo conseguí, o resto foi rápido.

O receptáculo da entrada de áudio auxiliar fica soltado na placa, por três pontos. Dois deles estavam soltos. Com um ferro de solda de baixa temperatura (20W), refiz as duas soldas.

Instalar o rádio de volta na motocicleta foi mais simples. Depois, só testar.
Perfeito, tudo funcionando bem.

Minha querida Harley-Davidson Ultra Classic Electra Glide 2007, no alto dos seus 47.000 km rodados está, de novo, como nova.


Agora, programar a revisão dos 48.000 km e nos preparar para visitar o Uruguai.

sábado, 23 de março de 2013

Harleyros Envelhecendo?


Um relatório de analistas do UBS, o grande conglomerado de bancos suíços, sugere que a Harley-Davidson Motor Company pode estar enfrentando fortes ventos de proa, devido ao envelhecimento de sua mais importante base de clientes: os baby-boomers, como são chamadas as pessoas nascidas nos 5 anos após o término da Segunda Guerra Mundial.

Segundo o UBS, a idade média dos motociclistas que pilotam Harley-Davidson nos Estados Unidos está aumentando. A última estatística divulgada pela fábrica, em 2008, indicava que a idade média dos Harleyros era de 48 anos, um aumento considerável se comparado com a média de 46,1 anos, em 1999.

Os baby-boomers, cuja idade varia hoje entre 68 e 63 anos, continuam comprando motocicletas Harley-Davidson, mas o volume tem diminuído, segundo o banco suíço, o que pode explicar em parte a queda de 4% nas vendas nos Estados Unidos, durante os meses de Janeiro e Fevereiro de 2013.

A HDMC vem investindo em outros segmentos de mercado, especialmente nos homens mais jovens e nas mulheres. Muitos dos modelos lançados nos últimos três anos são, claramente, focados nestes grupos de consumidores.


Por outro lado, o sucesso de vendas do Tri Glide, tem permitido que pessoas mais idosas continuem a desfrutar do prazer de pilotar uma Harley-Davidson Touring. A grande maioria de compradores do Tri Glide Ultra Classic é constituída de homens acima dos 50 anos e de mulheres.

domingo, 17 de março de 2013

4º Harleyros Maringá - Excelente Encontro










O 4º Harleyros Maringá - 2013 já entrou para a história.

Eu e a Rô chegamos hoje à tarde em Balneário Camboriú, depois de ter rodado os 670 km desde o Hotel Deville, em Maringá, onde ficamos hospedados durante o evento.

Este foi minha segunda participação, mas foi a primeira para a Rô. No ano passado, compromissos profissionais impediram que ela me acompanhasse ao evento. Apesar de não gostar de pilotar sem minha querida garupa e fotógrafa oficial, fui ao evento de 2012 por insistência dela e dos muitos amigos de Balneário Camboriú que estavam indo. Gostei muito e tanto comentei que a Rô não me perdoaria se eu não a levasse a Maringá, este ano.

O evento não desapontou em nada. Muito ao contrário, nos surpreendeu com a capacidade de fazer melhor um evento que já era muito bom!

Chegamos em Maringá na sexta-feira, por volta de 14:30 horas. Ao contrário do ano passado, não tivemos chuva no trajeto, só umas nuvens perdidas, que nos presentearam com uma chuva fininha, mas que durava alguns poucos quilômetros. O suficiente, entretanto, para sujar minha Ultra Glide e me impedir que chegar ao receptivo, no Shopping Catuaí, com minha motocicleta brilhando. Não daria tempo de levar a Ultra numa lavação (por isso é importante ir na véspera!).

A impecável organização do evento já se demonstra na chegada. O pessoal da organização prontamente nos identificou e nos entregou o kit de participante. Como no ano passado, itens realmente úteis.
Havia um banda oferecendo um repertório de primeira classe e material líquido para apaziguar nossa sede.

Encontrar com amigos e conhecidos é sempre muito agradável e uma das razões para participar dos eventos  realizados ao redor da marca Harley-Davidson. Este ano ví poucas motocicletas de outras marcas (sempre benvindas!). O importante não é a logomarca colada no tanque; o que importa é o espírito do piloto e de sua garupa!

Depois de confraternizarmos um pouco no Shopping, seguimos para o Hotel Deville, onde ficaríamos. O check-in foi feito rapidamente e nos alojamos em um apartamento do sexto andar, totalmente reformado. O hotel iniciou uma remodelação total, no ano passado, e os quartos ficaram excelentes.

Depois de um descanso rápido, já estávamos prontos para seguir para o Chateau Village, onde foi realizado o Jantar à Fantasia. A organização providenciou ônibus para fazer o translado entre os vários hotéis e os locais onde se realizaram os jantares do evento. Com isto, ficávamos à vontade para apreciar todas as regalias colocadas à nossa disposição.

O evento de Maringá já é conhecido por sua gastronomia. Comidas muito bem elaboradas, de vários tipos e tendências estavam à nossa disposição. No quesito bebidas, foram servidos vinhos chilenos, frisantes, Johnny Walker Double Black e refrigerantes. Da cozinha tivemos mesas de sushi e sashimi, mesas de queijos e frios, comidas quentes (massas, escondinho, camarões) e um pizzaiolo de prontidão, preparando várias tipos de pizzas.

No palco, uma banda muito boa tocava as músicas que todo Harleyro gosta. De Beatles a Credence e "all in between".







As fotos feitas pelos fotógrafos oficiais do evento, estarão disponíveis no site já a partir da próxima sexta-feira.

No sábado, pela manhã, os participantes se reuniram na Catedral de Maringá, para a foto oficial do evento. Depois, escoltados por motociclistas da Polícia Militar Rodoviária do Paraná e de Agentes de Trânsito de Maringá, as centenas de motociclistas seguiram para o Ody Park Aquático, onde passaram o dia.


À frente da belíssima Catedral.

Os participantes preparando-se para a foto oficial.

Eu e a Rô estamos na Ultra Glide, à esquerda da foto.
No Ody Park Aquático
O retorno aos hotéis, igualmente com escolta policial, ocorreu às 15:30.

À noite, novamente vários ônibus foram colocados à disposição dos participantes, para levá-los à Churrascaria Pavan, onde foi realizado o encerramento do evento.

Igualmente, o jantar foi outro festival gastronômico. Uma banda composta de músicos bem jovens tocava hits dos anos 1960 em diante, bem do tipo que gostamos. Fiquei impressionado com a qualidade musical da banda e o fato de executarem com tanto talento músicas que foram sucesso quando eles nem eram nascidos. E o guitarrista/vocalista principal declarou, antes de executar uma música dos Beatles, que o quarteto inglês era uma das inspirações e influências musicais mais importantes de suas vidas.

Logo depois do jantar foi realizado os agradecimentos dos organizadores e homenageados vários motociclistas, desde aqueles e aquelas (havia muitas Ladies of Harley no evento) que vieram de muito longe, até aqueles que mereciam um reconhecimento pela longevidade com a marca Harley-Davidson, no caso o conhecido Capitão Senra, de Belo Horizonte. Ele, no alto dos seus 82 anos, fez um declaração muito emotiva a respeito do que representa a Harley-Davidson para todos nós. Foi aplaudido de pé.

Retornamos cedo para o hotel, pois queríamos descansar para enfrentar a viagem de volta, logo cedo no domingo.

Saímos de Maringá às 07:00 em ponto, na companhia dos amigos Volnei e Fátima Marx, que nos acompanharam até Ponta Grossa. De lá, seguiram em direção sul para Curitibanos, onde moram.

Nós continuamos para o leste até Curitiba e descemos a serra para Balneário Camboriú.

Nossos amigos Salésio Machado e Sula Meyer decidiram sair um pouco mais tarde. Para a Sula, esta foi sua primeira viagem longa, pilotando sua Sportster 883, no melhor estilo Ladies of Harley.

Alguns pontos de destaque no evento:

  • O valor cobrado foi bem justo, considerando o hotel onde ficamos hospedados, a qualidade, variedade e abundância na gastronomia ofertada, além das bebidas disponibilizadas para todos os gostos.
  • A programação foi de primeira qualidade, sempre em locais excelentes. As bandas (3) eram formadas por músicos bem talentosos, com um repertório de muito bom gosto.
  • A simplicidade dos organizadores, o casal Luis e Renata Caseiros, nos fez sentir como convidados de honra. Todos nós, os mais de 500 participantes!
  • O espírito de camaradagem era latente durante todo o evento. 

terça-feira, 12 de março de 2013

Acidentes com Motocicletas: 60% Causados por Motoristas


Estudo de 10 anos, conduzido pela Universidade da Flórida, conclui que motoristas são responsáveis por 60% do acidentes envolvendo motocicletas.

A grande maioria destes acidentes é provocado por motoristas distraídos, enquanto falam pelo celular.
Chan Young Lee, um pesquisador senior do Centro de Pesquisas de Transportes Urbanos da Univ. da Flórida que liderou a pesquisa, diz também que os motociclistas tem muita responsabilidade pelos acidentes, ao dirigir de forma perigosa nas estradas, especialmente em motos esportivas.



O estudo revelou que 34% dos acidentes com motocicletas não tem a participação de outros veículos, quer dizer , o motociclista causa seu próprio acidente. A maioria deles está relacionada a curvas mal feitas, quando o motociclista falha em ajustar a velocidade da motocicleta às condições da curva.


Grande parte dos acidentes de motocicletas envolvendo outros veículos é causado por motoristas ao dobrar à esquerda, cortando a frente do motociclista ou quando o veículo entra na estrada ou na rua, sem notar que uma motocicleta está se movimentando naquela faixa.

A pesquisa concluiu, também, que a grande maioria dos motoristas que se envolveram em acidentes com motocicletas, não tinha habilitação de motociclista.

"Aqueles condutores que possuem licença de motociclista são mais atentos à existência de motocicletas em seu caminho," concluiu Chan Lee.

O número de acidentes com motocicletas cresceu na Flórida nos últimos anos. Uma das causas foram as pessoas, homens em sua grande maioria, que moravam no norte, aposentaram-se e mudaram-se para a Flórida. Segundo Chan Lee, "eles pilotaram motocicletas em sua juventude, mas ficaram décadas sem pilotar. Aposentam-se, compram uma motocicleta e entram na estrada. Sem treinamento adequado e com os reflexos diminuídos pela falta de prática e pela idade, são mais suscetíveis a se envolver em um acidente."

segunda-feira, 11 de março de 2013

O Que É Isto?

É uma motocicleta?
Acho que não. Motociclista usando cinto de segurança?
Deve ser um carro de duas rodas . . .



domingo, 10 de março de 2013

Felicidade

O pulo de alegria do meu amigo Jorge Pimentel, por ter chegado até o Ushuaia.
Felicidade é poder rodar com sua motocicleta até onde você quiser!


sábado, 9 de março de 2013

Lei Seca: Obrigação do Bafômetro é Inconstitucional


Em nome do Ministério Público Federal, a vice-procuradora-geral da República, Deborah Duprat, encaminhou parecer ao Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo que seja declarado inconstitucional obrigar motoristas a fazer o teste do bafômetro. A manifestação do MP integra uma ação direta de inconstitucionalidade em que a Associação Brasileira de Restaurantes e Empresas de Entretenimento (Abrasel) questiona a legalidade da Lei Seca.



De acordo com a procuradoria-geral da República, o direito a não produzir provas contra si mesmo deve ser respeitado, mesmo que existam sinais claros de embriaguez por parte dos condutores flagrados em blitz. A Lei Seca tolera nos testes do bafômetro apenas 0,05 miligramas de álcool por litro de ar, cifra computada apenas como margem de erro do bafômetro. Para o Ministério Público, a lei tem o mérito de diminuir os riscos e danos à vida, à integridade física e à segurança dos motoristas e pedestres e é o meio mais eficaz a reduzir drasticamente os níveis de acidentes de trânsito fatais. Ainda assim, pondera a vice-procuradora Debrah Duprat, esses benefícios da legislação não podem se sobrepor ao “direito geral de liberdade” que exime os cidadãos de produzir provas que possam lhes incriminar.

“Com fundamento no direito geral de liberdade, na garantia do processo legal e das próprias regras democráticas do sistema acusatório de processo penal, não se permite ao estado compelir os cidadãos a contribuírem para a produção de provas que os prejudiquem”, diz o parecer encaminhado pelo MP ao Supremo. Para o Ministério Público, é inconstitucional aplicar penalidades, como multa e retenção da carteira ao motorista que se recusar a submeter-se ao teste do bafômetro.

Lei mais dura - Em janeiro, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) tornou mais rígida a aplicação da Lei Seca aos motoristas flagrados embriagados e, com exceção do patamar de 0,05 ml, considerado como eventual margem de erro do bafômetro, não é permitida qualquer tolerância ao álcool. O Contran acabou com o intervalo de tolerância de dois decigramas por litro de sangue e determinou que o condutor seja autuado administrativamente por qualquer concentração alcoólica.

domingo, 3 de março de 2013

Made in America


Comercial da Harley-Davidson, mostrado na televisão durante o SuperBowl, a final do campeonato americano de futebol.
O clipe mostra a fábrica da H-D em York, Pennsylvanya.

sábado, 2 de março de 2013

Indian Motorcycles - O Retorno


Indian, a mais antiga marca de motocicletas dos Estados Unidos, faliu em 1953. Desde então houve várias tentativas de recolocar a marca no mercado americano, sem sucesso.

A Indian Motorcycles Manufacturing Company foi fundada em 1901 em Springfield, Massachussets. No início do século XX foi o maior fabricante de motocicletas do mundo.

Agora outro gigante do segmento esportivo, Polaris Industries, pretende reviver a única marca que conseguiu competir, de verdade, com o ícone Harley-Davidson.

A Polaris pretende lançar o novo modelo Indian, apropriadamente chamada de Chief, no final de 2013.

Segundo os executivos da Polaris, a divisão Indian deve gerar cerca de US$500 milhões adicionais de receita para o grupo, em 2016. Se este plano se concretizar, a Indian estará de volta tentando enfrentar seu arqui-rival Harley-Davidson, líder inconteste, na supremacia pelo mercado de motocicletas acima de 600 cc.


Parece claro que a compra da Indian pela Polaris em 2011, criou certo preocupação na sede da HDMC em Milwaukee, de acordo com alguns analistas. Segundo eles, a venda da MV Agusta e o fechamento da divisão Buell, foi uma manobra para liberar recursos e pessoal para enfrentar este novo potencial concorrente de peso. Vamos ver se esta leitura é verdadeira.

Ainda segundo os especialistas, a maneira competente com que a Polaris enfrentou a crise financeira global levou os executivos da Harley-Davidson a se preparar para um grande batalha contra a Indian.

O resultado financeiro da Polaris, com suas motos de neve, ATVs, veículos náuticos e motocicletas Victory foi mais positivo do que aquele alcançado pela H-D, alavancando sua capacidade econômica para enfrentar o líder mundial das motocicletas de grande porte.

A Polaris não é novata no mercado de motocicletas, pois desenvolveu a marca Victory, a partir do zero, nos últimos 15 anos. Ainda que a Victory tenha enfrentado dificuldades no início, suas vendas mais que triplicaram nos últimos 3 anos, apesar de serem números tímidos, se comparados com o gigante de Milwaukee. Afinal, enquanto 13.000 motocicletas Victory foram produzidas na fábrica Polaris de Iowa, em 2012, mais de 233.000 Harleys foram produzidas nas duas fábricas da HDMC em Kansas e na Pennsylvanya.

Inicialmente as Indian serão produzidas na mesma fábrica em que se produzem as Victory, mas a semelhança termina aí. Não haverá nenhum componente comum usado entre as duas marcas.


A nova Indian Chief foi apresentada ao público no Long Beach Motorcycle Show, em Dezembro, no estante da Polaris.

Vai ser interessante ver a versão moderna desta antiga rivalidade.